Literatura | O Bom Inverno - João Tordo

Foi o primeiro livro que tive oportunidade de ler do escritor João Tordo. Começo a minha opinião por dizer que gostei imenso deste livro, e na minha opinião não podia ter escolhido melhor para primeira leitura. Um escritor que me surpreendeu imenso pela positiva, e que acredito irá surpreender ainda mais.

Penso que qualquer pessoa que gostaria de escrever um livro assim que encontra um personagem escritor fica logo encantada. Assim que percebi que a nossa personagem seria um escritor, O Bom Inverno foi logo para um dos favoritos. A verdade é que a personagem principal consegue conquistar desde do início. Temos logo ao início a visão de uma personagem com diversos problemas, descreve-os a todos e nós leitores sentimos pena por ele. Um escritor solitário e coxo. Tinha tudo para ser um bom livro.

À medida que o enredo avança, diversas personagens entram na vida do nosso escritor. Personagens totalmente diferentes do escritor solitário e simples, porém todas estas personagens encontram-se de certa forma ligadas à escrita e aos livros. Foi curioso ver como estas amizades se desenrolavam. Apesar de as amizades parecem genuínas, nunca deixei de ficar um pouco de pé atrás. Admito que este grupo um pouco excêntrico, foi muito engraçado e vê-los juntos no livro fazia-me diversas vezes rir.

Podemos sentir uma vibe dramática e obscura ao longo do livro. Vários segredos, várias personagens. Nunca saberemos a verdade sobre quem está a nosso lado. Conseguimos sentir a nuvem de tristeza que paira sobre as personagens, todos procuram algo: ou a felicidade, ou a perfeição plena. Apeteceu-me muitas vezes entrar no livro e dizer-lhe que não existe felicidade plena e muito menos perfeição, mas nem mesmo assim eles iriam entender.

A verdade é que à medida que avançámos na leitura e do momento mais trágico do livro, nós leitores só rezámos para que nada de mal aconteça. Temos aquele pressentimento que algo de mal irá acontecer, mas pedimos que as nossas personagens não sofram. Ganhámos um certo carinho pelas personagens, mas um carinho muito intenso.

É notável a forma como a personagem principal, um simples escritor solitário, conseguiu evoluir. As amizades, as aventuras e tudo fez com que a personagem crescesse. Se no início tínhamos uma personagem rodeada de depressão, no final temos uma personagem que tem de ser quem mantém a cabeça fria e lida com tudo.

A escrita de João Tordo não me desiludiu, foi surpreendente a forma como conseguiu agarrar-me desde a primeira página. Uma escrita que fluí lindamente, além do mais uma história com um ritmo alucinante e sem momentos de tédio. João Tordo dá-nos tudo para um bom livro, e só depende do leitor apreciar ou não. Grande destaque para as notas de rodapé que são muitos úteis, prestem sempre atenção a elas.

A verdade é que a melhor forma de apreciar este livro é comprar o livro e não ler a sinopse. Comecem a leitura sem olhar para a sinopse e descubram tudo à medida que avançam na leitura. O que ao início possa parecer um livro melancólico, no final irá tornar-se num thriller de prender a respiração. Este livro é uma grande surpresa, contudo, também é daqueles livros que ou adorámos, ou detestámos.

Pretendo ler muitos mais livros do João Tordo, já ouvi tantas maravilhas dos livros dele e depois desta estreia só penso em ler todos os seus livros. Não sei se não conseguiu tornar-se num dos meus escritores preferidos com apenas um livro lido.

Aviso: Este é daqueles livros que na minha opinião a sinopse é spoiler, portanto, leiam o livro sem ler a sinopse, assim acredito que terão uma melhor leitura.

Sinopse: "O balão negro onde Don Metzger partiu foi encontrado na ilha de Ponza, no fundo de uma falésia, perto do final do Verão. O corpo tinha apodrecido e sido parcialmente dilacerado pelas gaivotas. A polícia italiana considerou que a morte fora causada por um «acidente», e não foi feita qualquer autópsia. Alipio e Susanna Rizzo foram interrogados, mas afirmaram ter passado o verão na casa de família, na Lombardia, depois de Don Metzger ter prescindido dos seus serviços. Surgem notícias dispersas sobre os desaparecimentos de John McGill, Roger e Stella Dormant e Vincenzo Gentile. Não surgiu qualquer notícia sobre o desaparecimento de Olivia Fontana ou Nina Pascal. Nenhum destes desaparecimentos foi ainda relacionado com a morte de Don Metzger. A polícia continua a investigar."

Editor: LEYA - BIS | ISBN: 9789896602000 | Páginas: 304 | Classificação: 5 em 5 Estrelas

6 comentários:

  1. Já tive prestes a adquirir esse livro mas como o tempo para as leituras tem sido muito pouco essa escolha tem ficado um pouco de lado... Beijinhos*

    PS: segui!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens de o ler, acredita que realmente vale a pena! Não estava à espera de gostar tanto, é um pequeno livro com uma grande história!

      Obrigada pela visita <3

      Eliminar
  2. Não conhecia este livro. Beijinhos

    Convido-te a visitar o sítio da Mamã Coruja.1

    ResponderEliminar
  3. Não conheço o livro mas desaperto-me interesse, de momento estou a ler o livro Nunca me esqueças da Lesley Pearse e estou a amar

    Beijinhos,
    O Mundo da Pequenina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca li nada de Lesley Pearse, apesar de ter na estante um livro dela. Não é uma escritora que chame a minha atenção, um dia terei de experimentar.

      Obrigada pela visita, beijinhos <3

      Eliminar